As Cantigas de Roda como Instrumento Pedagógico na Educação Infantil

O presente trabalho aborda acerca da cantiga de roda na educação infantil, visando discutir as contribuições da utilização das cantigas de roda no processo de ensino e aprendizagem na educação infantil. Percebe-se que o trabalho educativo com as crianças precisa ser realizado de forma lúdica para atraí-las e tornar este processo prazeroso e significativo. Esta pesquisa apresenta-se como bibliográfica, embasada em livros, artigos e vídeos, classifica-se como pesquisa exploratória e de abordagem qualitativa que visou apresentar contribuições a partir da utilização das cantigas de roda como instrumento pedagógico na educação infantil. Sendo assim, observou-se que ao lançar mão das cantigas de roda na realização de atividades educativas, o professor pode possibilitar às crianças vivências que tornam o processo de ensino e aprendizagem significativo e prazeroso, capaz de promover um desenvolvimento social, cognitivo, afetivo, além da preservação da cultura popular.

 

Palavras-chave: Cantigas de Roda. Ensino e Aprendizagem. Educação Infantil

 

 

Introdução

 

Há muito tempo as cantigas de roda vêm se fazendo presente na vida das pessoas, mas, não se sabe ao certo como elas surgiram e como passaram a fazer parte das brincadeiras das crianças. O que pouco se sabe a respeito das cantigas de roda, é que elas sempre estiveram presentes nas brincadeiras das crianças, preservando as tradições de um povo onde os adultos as repassam para seus filhos, netos, bisnetos e outros, ou seja, as cantigas de roda são repassadas oralmente de geração para geração. O brincar de roda ou ciranda sempre alegrou as crianças em qualquer época e em todos os países[…] Constituem um fator de preservação e transmissão de nossas tradições e uma das primeiras manifestações do espírito  associativo das crianças sendo um verdadeiro patrimônio cultural da humanidade. (PAIVA, 2003, pp. 13-14)

As cantigas de roda quando utilizadas para ensinar as crianças, podem ser empregadas como um instrumento pedagógico que deve ser iniciado desde os primeiros contatos das mães com os filhos, pois é nesse momento em que a criança começa a ouvir as primeiras palavras, além de muitos ensinamentos passados de geração para geração. Acho que a música tradicional da infância é a melhor forma de educação da sensibilidade. E ela deveria se iniciar nos braços da mãe, com uma canção de ninar. É neste momento que a criança ouve as primeiras palavras da língua e se inicia na língua mãe e na língua mãe musical, através da cantiga. Assim é em todas as culturas do mundo. É inestimável o valor do exercício espontâneo da música na infância, uma música onde a palavra, a cantiga, o movimento e o outro se interligam na alegria do brincar. (HORTÉLIO, 2015)

Depois do período em que as crianças são ensinadas a falar as primeiras palavras de sua língua materna, o vocabulário das mesmas vai se modificando e assim, faz-se necessário lançar mão de instrumentos pedagógicos que enriqueçam esse processo de ensino e aprendizagem. A partir deste momento como diz (DELALANDE, 1999, p. 51): “[…] As brincadeiras cantadas infantis são talvez uma das primeiras manifestações do jogo musical com regras. Trata-se de fazer entrar uma frase em um molde rítmico […]” logo, entende-se que as brincadeiras cantadas podem dar início ao processo de ensino, constituindo-se de regras para serem utilizadas nos jogos e brincadeiras das crianças.

 

As cantigas de roda com instrumento pedagógico

No decorrer do processo de ensino e aprendizagem na educação infantil, o professor deve ir além de somente ensinar atividades as crianças e da velha conhecida reprodução como forma de aprendizado, pois nesta etapa é preciso de fato saber o que vem a ser a educação, para que o ensino aconteça de forma agradável aos alunos e para o professor que vai orientar as crianças, durante as atividades.

Educação é evolução e por esta razão implica mudança. É um desenvolvimento psicossomático do ser humano provocado pelo ambiente, pela sociedade e pela própria consciência. O homem está sempre em devir, adaptando, mudando, transcrevendo, criando-se a si mesmo. Só o homem é capaz de agir conforme as ideias que ele mesmo assimilou, transformou e criou. (HEYLEN, p. 14. 1987)

Quando as cantigas de roda passam a fazer parte do processo de ensino das escolas de educação infantil como um instrumento pedagógico, as atividades realizadas por meio das cantigas tradicional da infância propiciam diversidade de experiências:

 

Para que as crianças possam exercer sua capacidade de criar é imprescindível que haja riqueza e diversidade nas experiências que lhes são oferecidas nas instituições, sejam elas mais voltadas às brincadeiras ou às aprendizagens que ocorrem por meio de uma intervenção direta. (BRASIL,1998, p. 27)

 

Na maioria das atividades em sala de aula, o professor é quem organiza os passos da brincadeira /ou jogo que será realizado pelas crianças, mas ele precisa saber como trabalhar essas atividades na hora de apresenta-las para as crianças, tendo consigo duas ferramentas importantes: pesquisa e sensibilidade.

 

[…] Um professor precisa, sobretudo, de duas ferramentas indispensáveis ao seu trabalho: sede de pesquisa e sensibilidade. Seu empenho em procurar conhecer o conteúdo de sua matéria, somado ao olhar sensível, aponta o melhor caminho para apresentá-lo à criança. A pesquisa abre a janela do conhecimento; a sensibilidade aponta a estratégia adequada para que a criança receba o “pacote” da melhor maneira. Um bom material de apoio pode ajudar, mas não basta ter acesso a bons materiais, é preciso saber como utilizá-los. […](BRASIL, 1998, p. 27):

 

As cantigas de roda quando aliadas às práticas pedagógicas realizadas com as crianças, podem ensinar as bases de sua cultura e permitir que as crianças vejam-nas como brincadeira, sobre isso (HEYLEN, 1987, p. 120) diz que: “[…] enquanto brinca lhe são transmitidas as bases educacionais tradicionais de sua cultura.”Mesmo que em alguns momentos as cantigas de roda se apresentem com regras excessivas, que não agradem as crianças devido ao objetivo que o professor tem com aquela atividade, ainda sim é necessário que durante processo de ensino, o professor trabalhe com as crianças atividades que propicie a elas experiências diferenciadas por meio da ludicidade.

 

O professor de música hoje (não só de música, mas qualquer professor) precisa despertar na criança o prazer em aprender música, o prazer em descobrir, conhecer, fazer, respeitar e valorizar o novo, o conhecimento. Como é possível fazer isso? É aí que a ludicidade e os jogos tornam-se fortes aliados deste professor. (CAJUELA, 2012, s/p)

 

Para que o processo educativo aconteça de uma forma que não limite as ações das crianças e assim não comprometa a utilização das cantigas de roda como instrumento pedagógico, o professor deve considerar os conhecimentos prévios das crianças e criar estratégias onde as cantigas de rodas venham colaborar com o sucesso da didática que será utilizada em sala de aula. É, portanto, função do professor considerar, como ponto de partida para sua ação educativa, os conhecimentos que as crianças possuem, advindos das mais variadas experiências sociais, afetivas e cognitivas a que estão expostas. Detectar os conhecimentos prévios das crianças não é uma tarefa fácil. Implica que o professor estabeleça estratégias didáticas para fazê-lo. (BRASIL, 1998, p. 33):

 

É pertinente pensar, que as estratégias didáticas utilizadas durante o processo de ensino já vinham sendo pensadas a muito tempo por alguns educadores e estudiosos, e as cantigas de roda podem estar relacionadas às contribuições para o aperfeiçoamento dos alunos enquanto pessoas e aperfeiçoá-los artisticamente, assim como o canto orfeônico e a ginástica já que as cantigas de roda podem ser um instrumento pedagógico na educação.

 

[…] Dia virá em que a aplicação dessas manifestações folclóricas à educação e ao ensino será realidade tão proveitosa e útil como são hoje a ginástica e o canto orfeônico, excelentes meios de aperfeiçoamento humano e artístico, que infelizmente não conhecíamos nem imaginávamos na nossa primeira escola. […](MELO, 1985, p. 166)

 

Considerações

 

Dessa forma cabe a observação de que o uso das cantigas de roda no processo de ensino e aprendizagem nas escolas mais atuais, é uma realidade que antigamente não se tinha, o que permitia ao canto orfeônico ser até então o único meio de valorização de trabalhar a música nas escolas mesmo que em meio a objetivos políticos, e assim a educação musical foi ganhando seu espaço e buscando novas formas de ensino para trabalhar a música nas escolas.

 

[…] um trabalho pedagógico-musical deve se realizar em contextos educativos que entendam a música como processo contínuo de construção, que envolve perceber, sentir, experimentar, imitar, criar e refletir. (BRITO,2003, p. 46)

 

Diante do exposto é pertinente dizer que o professor ao trabalhar ascantigas de rodacomo instrumentopedagógico na formação das crianças, está possibilitando vivências que venham desenvolver a sensibilidade musical, auxiliar no desenvolvimento de outras inteligências e habilidades que enriquecem o processo de ensino e aprendizagem, preservando ainda a cultura popular de muitas gerações. No mais, a música tradicional da infância utilizada de forma consciente pelo educador pode ser atrativa e tornar o processo de ensino e aprendizagem na educação infantil significativo e prazeroso.

 

Referências

 

BRASIL, Congresso Nacional.Referencial curricular nacional para a educação infantil. v. 3. Brasília: MEC/SEF, 1998.

 

BRITO, Teca Alencar de. Música na educação infantil / Teca Alencar de Brito; [fotos Michele Mifano]. – São Paulo: Petrópolis, 2003.

 

CAJUELA, Jéssica. Brinquedos e Brincadeiras: Música e ludicidade. Disponível em: <http://arteeducacaoemquestao.blogspot.com.br/2012/06/brinquedos-e-brincadeiras-musica-e.html> Acessado em: 15/05/17.

 

DELALANDE, F. A criança do sonoro ao musical. In: Anais do VII Encontro Anual da Associação Brasileira de Educação Musical. Trad. Bernadete Zagonel. Curitiba: Abem, 1999.

 

HEYLEN, Jacqueline. Parlenda, riqueza folclórica: base para a educação e iniciação à música / Jaqueline Heylen. – São Paulo: HUCITEC; Brasília: INL, Fundação Nacional Pró – Memória, 1987.

 

HORTÉLIO, Lydia. Centro de Referência Cultural Infância. 2015 Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=VgobqqhlbSk&t=138s> Acessado em: 22/04/17.

 

MELO, Veríssimo de. Folclore Infantil. 20ª ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1985.

 

PAIVA, Ione Maria R. de. Brinquedos cantados / Ione Maria R. de Paiva – Rio de Janeiro: 3ª edição: Sprint,2003.

 

Itayanna Bianca Ferreira Meireles – Graduada em Licenciatura Plena em Música ;  Licenciatura em Informática Educacional ; , Pós  Graduada em Musicalização Infantil ;  Professora de Musicalização Infantil na Escola de Artes Prof. Emir Hermes Bemergui e no Projeto Sementes Musicais ; Responsável pela preparação vocal do Grupo de Teatro de Aparecida – GRUTAP. 

Endereço
Rua 141, Qd 12A, Lt 01, nº 240, Setor Marista, Goiânia, Goiás

Telefones
(62) 3241 2540

(62) 99923 3332

 



Desenvolvido por RMachado